a vago lume

Sou a vaga
o espaço na vela que apaga
o intervalo entre teus dedos
o que não é estrada
sou a pausa
entre os satélites o ar que não tem peso
entre teus lábios o suspiro que dissolve
ao teu contato
sou a desCasa
na porta o vão pela janela o vento aberto
o que procura quem tu és ao ver teu olho
o que despista
entre tuas asas sou a pressão que leva ao alto tuas crinas
sou a certeza de não ter onde termina
que não desperto
sou passagem > na tua vida e tantas outras
a correnteza entre as margens
e não aquele que fica
o vale aberto pela passagem da faca
no Sol a sombra que recolhe a luz ao colo

sou teu reflexo

Um comentário: