Páginas

podando as perninhas ~


lembro claramente de uma ocasião
em que ainda crianças eu e meus irmãos fomos com nossos pais em uma viagem
junto um casal de amigos que tinham 2 filhos ~ um ainda pequeno
no jantar rolou a dita piada do amigo que dizendo ter sido perguntado sobre o que faria se seu filho menor decidisse ser dançarino e sua resposta teria sido:"cortaria as perninhas". os homens riram muito.
eu tinha talvez 10 anos. lembro de me sentir muito mal sem saber bem porque. eram homens e riam. devia ter alguma graça.
lembro das mulheres -as esposas- ficarem constrangidas e com um sorriso amarelo
 engolindo com vinho seco a norma de não contradizer convicções masculinas e talvez puxando algum outro assunto "demulher" pra escapar da tristeza.
e aconteceu do menor vir a seguir o caminho padrão na área jurídica com suas duas pernas no terno. já o mais velho que acreditavam "livre dos desvios"até hoje vive cercado de conflitos de inadequação e a incapacidade de se afirmar no mundo e ser feliz ao mesmo tempo.
 não sei bem o que ele gostaria de ter sido mas com certeza era fora dos trilhos caretas
e  ficou bem mais difícil achar o próprio passo depois de lhe cortarem as perninhas.
não por acaso a esposa largou do piadista um tempo depois. isso eu entendi bem.


prece à sanidade ~~

prece pela sanidade
aspiro e sopro pelo céu sem limites
onde a ideia de fronteira de posse de superioridade não existe
para que o reflexo do que é maior nos tire dessa pequenice
que a doença de milhares não seja vista como um número
que a lágrima de uma criança nos pese uma tonelada
que o médico queira o alívio que o juiz queira a justiça
que o varredor tenha o mesmo respeito dedicado ao doutor
e não mais e nem menos
que saber que alguém no mundo passa fome
que as mulheres são caladas que a educação é um jogo
 nos faça sentir profunda vergonha
e o regozijo com a desgraça alheia não caiba em nossos corações
mesmo  o de nosso adversários 
que o poder seja tido por grandeza e não pela força de quem mais trama
que o que é de todos seja distribuído e não embolsado debaixo de uma cama
que mérito seja uma qualidade derivada da bondade e não do privilégio
que os falsos profetas lotados de ódio não encontrem as formas de dar cabo aos seus planos
que a hostes de gente sem rumo escapem das mãos dos manipuladores
e que o caminho espiritual pare de ser manchado por gente maldosa
e os velhos recebam carinho cuidado respeito atenção e amores
que a desigualdade tão triste que é como um tsunami nessa humanidade
se dissolva no encontro sincero do amor natural com nossa generosidade
que os votos não sejam discursos
que os "nossos" sejam todos que vivem
que as pessoas valham infinitamente mais que os prédios
que as instituições que os títulos que o dinheiro
que saibamos crescer e viver para quando morrermos sermos + que só cinzas
que a dignidade nos resgate e a obsessão pelo consumo nos abandone
que a ternura pelo mundo supere a embriaguez da felicidade egoista
e nos faça outra vez sermos simplesmente
maravilhosamente humanos
antes que esse planeta se transforme
pra dar lugar à próxima temporada de miragens ~~



2018 e A Força ~~

numa leitura simples e bem básica se pode somar os numerais do ano e bater na carta essencial que o representa
nada por aqui se reduz a uma única referência mas pra largada pode ser um bom exercício
se 2017 teve o tom da Roda da Fortuna > uma potencialidade que depende de quem a gire ou - se é deixada à deriva - vai de acordo com o vento e a direção se perde e pode ainda ser dominada por qualquer horda de idiotas que se adiante. Vimos no que deu.
2018 somado dá no 11 da Força > a evolução maturada da criatividade agora internalizada . Criação e compromisso consigo, com seu mundo, com o valor de cada gesto, palavra, atitude mental. O não desperdício.
O encontro da medida interna que nem deixe a amarra da vela solta nesse mar revolto nem estrangule por excesso de tensão. A maturidade vinda de dentro. Essa que nem idade nem título nem currículo identificam.
 Responsabilidade pela própria liberdade acho uma boa legenda.
Artes internas > taichi, Yoga, meditação, aikidô, dança consciente. Saiba a origem do conhecimento inclusive do seu professor. Corpo e consciência conectados em uma só rede. Qualidade de entrega, qualidade de absorção. Comunicar com clareza e não pressupor entendimentos. Interpretação com senso tá rara no mercado dos ouvidos. Domínio do próprio reino.
Consciência das consequências pra que o apaixonamento mova a caldeira que tiver significado. Menos ao acaso. O leão da imagem é nossa natureza que pede uma dança que a inclua e não a negue. Negação só faz gente doente e neurótica.
 Olhar com olho da coragem mesmo que venha um arrepio na espinha. O arrepio valoriza a escolha. Coragem e arte.
 Amor em tudo. Façamos o brinde ao mundo que faremos e assumimos > emaho!

a margem dos desencontros ~

a margem dos desencontros
os corpos foram os desejos deram jeito
argumentos pra quem não se vê sujeito
rios de corredeiras fortes largo rio
galhos soltos
nossos tempos e saber qual a chegada
calculamos sem saber da tabuada
inventamos um jeito de resolver
foi bonito
mas e agora que não temos o infinito
e estas trilhas vão estreitas em nossos braços
somos tudo como mover só pedaços
como ir sem ver a altura por cair?
e agora que o futuro deu um nó no que era fogo
e ninguém aqui quer ter só mais um jogo
se avançamos qual o ponto de partir?
talvez nós talvez sós talvez sim achemos o ponto
do mover saltar além do desencontro
da quietude nos saber sem concluir ~


receita de natal sem passas


especialmente no natal
quando vem tanta projeção da infância à tona
se te deparar com aquele que te desconforta
procura não disparar o automático da irritação mas relaxa
e repara que o limite não é nunca uma escolha
e escolhe tu girar a roda do tempo a favor da harmonia do ambiente
e reconhece no outro a criança ferida que há em ti
e só vai ser curada quando aceita
e reintegrada
talvez sobre até tempo pra brincarem juntos
antes de +esse instante se dissolver ~


cora gem ~

é madrugada e ando um tempo até achar taxi
encontro um cara jovem com desânimo calado cansado
puxo algum assunto pra ver se mudamos de estação
ele conta que dirige a 8 anos e tá brabo o negócio > perdeu perto de 60% do que era seu ganho regular e só piora
vamos conversando e pergunta o que faço
Digo que sou músico e ele acorda >
fala entusiasmado do Clube do Choro que não perde
e de que ama é tocar cavaquinho, sabe ler partitura
vou chegando em casa mas dá tempo de dizer que ele é tão músico quanto eu e que precisa ir ~aos poucos~fazendo a transição pra assumir o que ama
Saio e já é outro carro. Um baita sorriso de alegria certamente vindo de uma faísca de confiança que andava esquecida
Que a fogueira suba <3 ~

sobre o tempo ~~


o tempo? O tempo não vai nos levar a lugar nenhum
o tempo não se move
fica só abrindo as pistas com suas miragens infinitas
pra que nós ~os passageiros e nossas escolhas~
tomemos rumo
pra cima ou pra baixo
agarrando e afastando
até nos tornarmos conscientes
inconFundidos
inseparáveis


da gratidão ~

já que tá na pauta a palavra
melhor expandir
e incluir aí todos estes que nos trazem à tona
as emoções menos nobres que carregamos com a gente
que sem um agente pra nos deixar furiosos rancorosos
invejosos ou lamentosos
não apareceriam tãoo claramente no nosso retrovisor
e talvez pudessem ser tidas como vencidas e superadas>
e temos muito por treinar
a vida ideal não nos liberta
gratidão a quem nos provoca <3
pela legenda esta ilustra é de Jimmy Liao ~

a lembrança das ondas ~~


a primeira onda me fez lembrar a quanto muito tempo
a segunda espalha o que sou respingo visões sentimentos
 a terceira bate abre de umasóvez a porta do meu peito
a seguinte lava a antiga insistência em bolhar pensamentos
as que vem seguidas lembram outros dias tantas outras vidas
e esqueço nomes desfaço saudades no salgar dos olhos
e me sinto todo mergulhado em força fluido em movimento
arrepio do nada ouço corpo adentro seu ensinamento
já silencioso faço uma promessa sem usar palavras
de voltar sem pressa mas não demorar tanto pra voltar a ela
render homenagem receber a benção de onde renascemos
direto na fonte abraço nossa mãe me torno um com ela
posso ir adiante ~ ampliado e calmo como fomos antes
sem esquecimentos

o rito da simplicidade ~


gerar gestos no dia como se fosse um rito
foco no espaço tempo no sopro
arte no traço brilho no olho
e outro dia passa mas não é só outro
tantas novas vidas e hoje é só o começo
porque nada dura
que esse dia flua ~





o Ser Perceptivo ~


a gente tão ocupado
em repetir o já mastigado
na afirmação infinita do gosto não gosto
quero não quero interessa nem vejo
que deixa passar o grande barato
o milagre gratuito e incessante
que é o simples fato de sermos Seres Perceptivos
~a percepção por si só é a loucura fantástica
inexplicável inexaurível sem limite
> ver ouvir captar sentir <
mas em sintonias comuns
ela se torna só outra trivialidade
pra servir de suporte às nossas distrações sem vida
à essa confusão tão antiga
da auto afirmação confinada
e nos perdemos a troco de nada ~


miragem~


se saber sendo passagem
um barco leve na miragem
o avesso da paisagem
suspiro de uma borboleta
vendo vir outra tempestade
aceitar ~expandir~despertencer


Samsara ~


Samsara
é como os indianos do passado
nomearam esse mundo cruel e careta
carente egoísta e indiFerente
:Chinelão ~